Expectativas

Eu preciso ser feliz e minha felicidade, por exemplo é experimentar o máximo de prazer sexual. Minha expectativa é que você continue fazendo as coisas que me fazem feliz na cama. O homem, por exemplo, já diz: “Eu espero ser rico, e você, com sua generosidade e dinheiro, faz de mim um homem rico”. Eis aí um casal ajustado: a mulher quer felicidade sexual e o marido quer dinheiro. Os interesses são diferentes, mas ambos satisfazem à expectativa um do outro.

O desajuste estaria, por exemplo, num relacionamento em que ambos dizem querer felicidade. A felicidade para um significa o prazer sexual e para o outro dinheiro. Entretanto, o que tem dinheiro, em vez de dinheiro, oferece prazer sexual. Um quis dar ao outro o que gostaria de possuir e não o que o outro esperava possuir. Houve, como sempre nesses casos, ou leitura errada ou mesmo ausência de leitura do que se passa com o outro.

AGENITA AMENO. Sociedade X indivíduos. p. 33–37. In: O medo da solidão. p. 27–37. In: A função social dos amantes. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

As ficções

quanto menos os homens conhecem a natureza, mais facilmente podem multiplicar suas ficções, tais como árvores que falam, homens que instantaneamente se transformam em pedras ou em fontes, espectros que aparecem nos espelhos, o nada que vem a ser alguma coisa, mesmo deuses transformados em animais ou em homens e infinitas coisas desse gênero. [§ 58, p. 35]

BENEDICTUS DE SPINOZA. Tratado da reforma da inteligência. Tradução de LÍVIO TEIXEIRA. 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004. (Clássicos)

Conversa sobre o MetAprendizado

Ei gente!

Já existiu um projeto de criar uma escola com parâmetros um pouco mais legais do que a gente costuma ver por aí: o MetAprendizado. Ele tinha um pequeno wiki ( http://r19.sarava.org/Main/MetAprendizado ), com algumas informações. Estamos marcando uma conversa sobre o projeto, para vermos o que ele foi e como ele poderia ser retomado. Se você se interessa por educação e não de como ela é praticada em geral, apareça lá.

Sábado, 26 de abril de 2007, 16h
Palácio das Artes

Abraços!

A música

A música parece dizer, refratadas numa língua nova, as impossibilidades da nossa. No princípio ela nos faz desaprender o real que desarticula sob o efeito de novos cortes: ela possui a enunciação (e notadamente a voz) de se lugar ordinário; numa palavra, ela faz descer a palavra ao intraduzível: em nós então se abala todo o edifício do sentido apreendido, enquanto vacilam os direitos usuais da língua. [p. XXIV]

PIERRE MARÉCHAUX. Silêncio dos sábios e Música das esferas. In: Prefácio. p. V-XXI. In: PLUTARCO. Como ouvir. Tradução de JOÃO CARLOS CABRAL MENDONÇA. São Paulo: Martins Fontes, 2003. (Breves encontros)

Transcendental

Denomino transcendental todo conhecimento que em geral se ocupa não tanto com objetos, mas com o nosso modo de conhecer objetos na medida em que este deve ser possível a priori. [p. 33]

IMMANUEL KANT. Idéia e divisão de uma ciência especial sob o nome de uma Crítica da razão pura. Seção 7. In: Introdução. p. 23–35. In: Crítica da razão Pura. Tradução de VALÉRIO ROHDEN e UDO BALDUR MOSSBURGER. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Os pensadores)

A identidade de um animal é mais ou menos igual à de uma máquina

The case is not so much different in brutes but that any one may hence see what makes an animal and continues it the same. Something we have like this in machines, and may serve to illustrate it. For example, what is a watch ? It is plain it is nothing but a fit organization or construction of parts to a certain end, which, when a sufficient force is added to it, it is capable to attain. If we would suppose this machine one continued body, all whose organized parts were repaired, increased, or diminished by a constant addition or separation of insensible parts, with one common life, we should have something very much like the body of an animal ; with this difference, That, in an animal the fitness of the organization, and the motion wherein life consists, begin together, the motion coming from within ; but in machines the force coming sensibly from without, is often away when the organ is in order, and well fitted to receive it.

JOHN LOCKE. Identity of Animals. § 5. In: Identity and Diversity. Chap. XXVII. In: Of Ideas. Book II. In: An Essay concerning Human Understanding. Oxford: Oxford University Press, 1975.

Do IGC

Texto divulgado dia 8/4/2008.

A dificuldade de se libertar

um escravo que gozava de uma liberdade imaginária, quando começa a suspeitar de que sua liberdade é apenas um sonho, teme ser despertado e conspira com essas ilusões agradáveis para ser mais longamente enganado, [§ 13]

RENÉ DESCARTES. Primeira Meditação: Das Coisas que se Podem Colocar em Dúvida. In: Meditações: concernentes à primeira filosofia nas quais a existência de deus e a distinção real entre a alma e o corpo do homem são demonstradas. In: VICTOR CIVITA. Os pensadores. v. 15. Tradução de J. GUINSBURG e BENTO PRADO JÚNIOR. São Paulo: Abril Cultural, fev. 1973.

Te&So em BH

http://teso.vilabol.uol.com.br/3bhteso.html

Datas

É, com efeito, a partir dos anos 1775–1795 que desaparece a velha articulação dos três ou quatro reinos; [p. 305]

MICHEL FOUCAULT. A organização dos seres. Seção 3. In: Os limites da representação. Capítulo 7. In: As palavras e as coisas: Uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de ANTÓNIO RAMOS ROSA. Lisboa: Portugália editora, 1966.