A pressa

Freqüentemente, de fato, alguns começam a escrutar proposições com tanta pressa que aplicam à solução delas um espírito que vagueia ao acaso, antes de reparar em quais sinais reconhecerão o objeto procurado, se este vier a apresentar-se. Não são menos simplórios do que um servidor enviado a algum lugar pelo patrão e que estaria tão desejoso de obedecer que começaria a correr com pressa sem ainda ter recebido ordem e sem saber aonde lhe ordenam ir.

RENÉ DESCARTES. Regra XIII. In: Regras para a orientação do espírito. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999. (Clássicos)

Comente

%d blogueiros gostam disto: